Member federation

Viva a luta do povo brasileiro contra a corrupção capitalista !

Version française

Por quase duas semanas um movimento sem precedentes de protestos e tumultos abala no Brasil o poder que está nas mãos de um suposto "Partido dos Trabalhadores".

O aumento do preço dos transportes públicos causou a raiva dos brasileiros, mas o protesto era mais profundo, e se transformou em uma factura para a Copa do Mundo de futebol, estimado a 11 bilhões de €, lembrou ao povo brasileiro que faltava-lhe escolas e hospitais, ao invés de estádios de futebol. O anúncio da redução dos preços de transporte não desativou a raiva da população : os protestos espalharam-se por todo o país.

Num ano, preços dos tomates aumentou de 96%, os da cebolas de 70% ; arroz aumentou 20% e o frango de 23%. Não esquecemos nós que o capitalismo francês, através da empresa GDF-Suez, contribuiu a situação catastrófica no Brasil com o projeto da barragem de Jirau, socialmente e ecologicamente devastador.

A Federação Anarquista Francófona deseja assegurar a classe trabalhadora brasileira, o povo brasileiro e todo o movimento libertário brasileiro de solidariedade e apoio neste momento de intensa luta contra o sistema capitalista corrupto.

Numa altura em que começam a surgir um desafio geral para o sistema capitalista à escala mundial, onde a população turca entrega uma luta heróica contra os poderes constituídos, a solidariedade internacional é uma exigência ainda mais urgente.

Reafirmamos a necessidade de uma organização internacional de libertários para efectuar mais eficientemente o combate conjuntamente.

Federação Anarquista Francófona, 21/06/2013

Homenagem a Clément Méric, antifascistas sempre !

Clément, 18 anos, morreu, assassinado por fascistas, a 5 de Junho, perto de Saint-Lazare. Uma só frase é suficiente para exprimir toda a gravidade da situação.

O fascismo e os fascistas não pertencem ao passado, a ameaça está sempre presente, foi isso que ficou provado. Face a a eles, devemos organizarmo-nos, lutar, criar um bloco. Mostrar-lhes que nós estaremos sempre aqui para lhes barrarmos o caminho. Que as suas ideias não valem o que valem as nossas e que por isso não há lugar para nenhum debate.

É preciso também denunciarmos vivamente as recuperações malsãs e politiqueiras já posta em marcha por organizações social-democratas ausentes do terreno da luta antifascista. Estamos a pensar em particular na Unef (União dos estudantes franceses) e no Parti de Gauche (Partido de Esquerda) que não esperaram para organizar, cada um por si, uma concentração de homenagem ao nosso camarada.

Como não agem, esta gente apropria-se dos mortos porque são menos perigosos. Já se ouvem os apelos à Justiça, ao Estado e ao governo para que proibam as organizações fascistas mas há quanto tempo é que as organizações e os grupos revolucionários fazem soar as campainhas de alarme para esta situação ?

Clément era militante da Action Antifasciste Paris-Banlieue et do sindicato estudantil Solidaires Etudiant-e-s Sciences Po. Era antifascista e revolucionário.

A Federação Anarquista Francesa envia modestamente as suas condolências à família e aos próximos de Clément e afirma que se aliará a todas as forças revolucionárias, progressistas e honestas para prestar homenagem a Clément e continuar a defesa do seu envolvimento militante, que não morreu com ele.

Federação Anarquista Francesa (FAFr)

Tradução Coletivo Libertário Évora - sitio : colectivolibertarioevora.wordpress

Solidariedade com nossos camaradas anarquistas egípcios !

Fundado o 23 de maio de 2011 no Cairo, durante a revolução egípcia, o Movimento Social Libertário, não se contentou em participar efetivamente na onda que acabaria por levar Mubarak e o governo, continuou a lutar e crescer, recusando-se a deixar a rua e o poder a Irmandade Muçulmana.

Com base num projecto de sociedade sem classes, livre do Estado e do capitalismo, os camaradas egípcios participaram ativamente nas recentes manifestações de oposição ao Presidente Morsi, através, em particular,de um black bloc egípcio sem hesitar em enfrentar a polícia. Vários militantes do movimento libertário foram presos durante estes dias de revoltas, e levados perante os tribunais.

Quarta-feira, 23 janeiro, durante uma reunião pública no tribunal de Alexandria, a polícia responsável pelo controlo da sala, de repente, sem nenhuma razão, carregou o público (espancamentos e detenções). Entre as 31 pessoas presas estavam quatro camaradas do Movimento Socialista Libertário. Esses camaradas são :

Mohamed Ezzdine
Amir Asaad
Mohamed Albadri
Houssine Mohamed.

Eles são acusados de associação de bandidos tantando ação de vandalismo, de destruição de propriedade pública e de uso da violência contra membros da força pública. Eles quatro são membros ativos da MSL e ainda estão presos, pendente de julgamento, alegando que seus libertação poderia causar perturbação à ordem pública.

A Federação Anarquista dá seu total apoio ao Movimento Socialista Libertário egípcio na sua luta contra a opressão, qualquer forma que seja e de solidariedade com os companheiros presos e detido sob pretextos arbitrários.

Assim como o MSL, a Federação Anarquista acusa o Ministério egípcio do Interior de abuso de poder e de vingança sobre os anarquistas egípcios e que governo fascista da irmandade muçulmana de estar por trás destas detenções.

Apesar da repressão, no Egito, como em outros lugares, continuaremos nossa luta até abolição do Estado e do capitalismo !

Federação Anarquista (França), 4 de fevereiro, 2013.

Mail : O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. / Page Face Book : https://www.facebook.com/pages...